Influenza H3N2: o que sabemos e para onde vamos?

Gripe | Influenza | H3N2

Entenda o que sabemos sobre a nova variante H3N2 da gripe influenza, o que causou o estado de alerta para esse novo vírus e quais são as formas mais eficazes de prevenção.

O ano de 2022 começou e com ele surtos de doenças respiratórias por todo o Brasil. Se antes a preocupação com os cuidados relacionados à saúde, higiene e limpeza tinham como foco a prevenção contra a Covid-19, agora, há novos vilões em forma de vírus para se combater. A variante H3N2 da gripe Influenza tem contaminado pessoas no país inteiro e gerado casos graves, inclusive levando a óbitos.

Segundo o Boletim InfoGripe, da FioCruz, houve um aumento de 135% nos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) das últimas três semanas de novembro de 2021 em relação às últimas semanas de dezembro e início de janeiro. O salto foi de 5,6 mil casos para 13 mil. A velocidade de disseminação entre a população cresceu, semanalmente, de 4% para 30%.

Por que a Influenza tem se comportado dessa maneira, chamado atenção e causado um estado de alerta tão incomum quando se trata de gripe? Para que possamos entender melhor o contexto sanitário atual e seus desdobramentos, além das formas mais eficazes de prevenção e cuidados de limpeza e higiene de mãos e ambientes, preparamos este artigo. Acompanhe a leitura e proteja-se!

O que é Influenza?

Para começar, é importante saber que a Influenza é um vírus que participa de uma grande família dentro da qual existem subtipos, sendo: A, B e C. O tipo C causa apenas infecções respiratórias brandas, não possui impacto na Saúde Pública e não estando relacionado com epidemias. Já os vírus da Influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus Influenza A responsável pelas pandemias que ocorrem de tempos em tempos.

Hoje, fala-se muito sobre a H3N2 devido à mutação sofrida pelo vírus tipo A, denominada como H3N2 Darwin. A Influenza H3N2 tipo Darwin recebeu este nome devido ao local em que foi descoberta na Oceania.

Os sintomas gripais comumente vistos em casos de Influenza têm variado e podem se manifestar em diferentes níveis de gravidade, de acordo com cada tipo que se apresenta e de acordo com as condições de saúde de cada paciente. Dessa maneira, a Influenza pode tanto acometer as pessoas de modo mais leve como pode levar a quadros graves, com complicações, e até mesmo a óbito.

Qual o tempo de incubação e de transmissão da Influenza?

O tempo de incubação do vírus da Influenza é em torno de 03 a 05 dias (podendo gerar sintomas ou não). Já o seu tempo de transmissão (fase posterior à incubação) é diferente em adultos e crianças. Nos pequenos, geralmente, o período de transmissão dura 14 dias, enquanto que nos adultos dura em média 07 dias .

Atualmente, os pesquisadores têm avaliado todos os pontos apresentados pela H3N2 e, infelizmente, é perceptível que, hoje, o vírus da Influenza apresenta uma letalidade cinco vezes maior do que a Covid-19.

Doenças respiratórias: quais as diferenças? 

Sabemos que são inúmeras as doenças respiratórias que têm acometido as pessoas ao redor do mundo todo. Então, para entender um pouquinho melhor as diferenças entre elas, compartilhamos este quadro que o Ministério da Saúde criou. Dá só uma olhadinha.

Vale ressaltar aqui que nenhuma informação técnica substitui a avaliação de um profissional de saúde para tratar corretamente a sua patologia, certo?

Quadro comparativo de sintomas causados por Coronavírus, resfriado, gripe e tuberculose pulmonar.
Quadro comparativo de sintomas causados pela Covid-19, H1N1, Dengue e H3N2.

Vacina no combate à Influenza 

Uma boa notícia publicada recentemente, em janeiro deste ano, pelo Instituto Butantan, foi de que todas as pessoas que receberam a vacina contra Influenza, distribuída pelo Ministério da Saúde em 2021, estão também protegidos contra a mutação Influenza H3N2 (Darwin). Ou seja, mesmo sem conter a cepa Darwin, os estudos mostram um bom desempenho da vacina frente à nova cepa.

Além da vacina, quais outras medidas de prevenção contra Influenza?

  • higienizar sempre as mãos, principalmente após tossir e espirrar. 
  • utilizar lenços descartáveis;
  • deixar o ambiente sempre ventilado;
  • cobrir boca e nariz sempre que espirrar ou tossir;
  • não tocar na região dos olhos, nariz e boca sem que a mão esteja limpa;
  • não compartilhar objetos de uso pessoal, como garrafas, copos e talheres;
  • evitar contato com pessoa doente, evitando abraços, beijos e apertos de mão;
  • evitar aglomerações em épocas em que o número de casos da doença for alto.

Oleak: soluções em produtos de higiene e limpeza

Por fim, para prevenção da Influenza e de outros vírus prejudiciais à saúde humana, ainda é possível fazer mais e melhor. Nós da Oleak queremos te ajudar e, para isso, temos produtos de higiene e desinfecção comprovadamente eficazes contra contaminações virais. Certamente, unindo nossas forças, venceremos essa guerra. Quer conhecê-los? Vamos lá:

Opticare IHS

É um álcool gel ou espuma para higiene das mãos preparado especialmente para que o usuário tenha uma experiência agradável e segura durante o uso. O produto contém vitaminas, emolientes e o mais importante: tem laudo para eliminar o vírus da Influenza em apenas 10 segundos.

Optigerm Pronto-Uso

Simples, eficiente e seguro. Seja em spray ou em wipe, a solução para superfícies e ambientes te ajuda a fazer a limpeza e a desinfecção de forma rápida. Em apenas 01 minuto manda o vírus da Influenza para bem longe. 

Para saber mais sobre a Oleak e nossos produtos, acesse o site e tenha as melhores soluções em proteção contra contaminações. 🙂

Até o próximo. 

Leia também